Choque de realidade

E se todas as suas vontades fossem atendidas nesse exato momento?

Se todas as suas dores, reclamações, necessidades e desejos fossem resolvidos?

Se a sua tão almejada liberdade e aquele tão sonhado sonho virassem realidade, aqui e agora?

Faça esse exercício! Imagine-se, teletransporte-se para essa realidade, mesmo que “só” imaginária por enquanto.

Qual é a sensação?
Nesse cenário você não tem mais tristeza, dor, angústia, falta, nem necessidade. Tudo foi suprido, atendido, resolvido, curado.

VOCÊ É E ESTÁ LIVRE!

Pode, enfim, VIVER!

Ir pra onde sempre quis, fazer o que sempre desejou, viver como sempre sonhou.

Como isso te parece?

Como é VIVER / SER LIVRE, em todos os sentidos e possibilidades que isso pode abranger?

O que – DE FATO – eu/você faríamos com toda essa liberdade, todo esse recurso e possibilidades?

Pare um pouco e absorva o que isso significa…


Confessa!

Assim como eu, você não faria e nem iria atrás de metade do que está na sua lista de exigências e reclamações de hoje. Boa parte do que está nesta lista perderia a importância, simplesmente porque estaria ali, ao seu alcance.

Tudo isso de que você, eu, tanto nos queixamos que dói, pode ser uma dor sim.  

Mas qual é a verdade por trás dessa dor? Quem realmente é o responsável por ela? Onde está o começo de tudo?

É mesmo aquilo/aquele/aquela que você elegeu como culpado? Ou é você usando “a mão” da situação ou do outro pra ferir a si mesmx e, com isso, ganhar a atenção que tanto precisa?


Precisamos tanto ser vistos, reconhecidos e amados, como especiais e únicos, que arrumamos mil artimanhas e artifícios pra conseguir isso. Mas assumir a autoria – a responsabilidade – sobre o ato, não é uma delas. Assumir a verdade por trás do que ansiamos tanto, quase nunca é uma opção.

Talvez porque seja difícil olhar-nos com verdade e encarar que somos só mais um grão na areia da praia. Que não somos a última bolachinha do pacote, porque o pacote nem existe. Ninguém é a última. E todos somos.

Estamos todos na mesma praia, com exatamente as mesmas dores, necessidades e carências. Como nos sentimos “não vistos”, começamos a disputar espaço no grito. O que não resolve nada, só cria uma confusão sem tamanho.


Mas como resolver então?

Se a resposta fosse simples, seríamos uma raça mais feliz e evoluída.

Aliás, acho que a resposta até é simples, botar em prática é que não é muito.

Se estamos todos aqui juntos, IGUAIS – seja como grãos de areia, bolachas ou outra coisa qualquer – mas juntos e iguais… imagino que exista uma razão pra isso.

Consegue, daí, imaginar qual seja?

Qual é a sua teoria a respeito?

Daqui, tenho um palpite… baseado nesse espacinho da praia onde eu vivo como grão, e tudo que daqui consigo ver, sentir e experimentar:

VIEMOS CRESCER!

Viemos pra nos responsabilizar pelo que nos cabe fazer e viver como grãos ou bolachas.

O que eu posso fazer (como uma entre muitos) pra cuidar da minha vida, que fala de ser grão ou bolacha, mas que tem tantas ambições e desejos, e muitas delas tão “maiores” do que ser apenas um grão ou uma bolacha?

Meu bem!

Comece sendo e vivendo como um grão ou uma bolacha. Você não conseguirá experimentar nada além disso se não começar por aí. Entre muitas coisas, foi pra isso que você veio.

“Mas dá para ser mais?” Oohh se dá! A vida quer que sejamos.

Mas não dá pra começar pelo mais. O começo é o que há, o que é, o que está nesse pedaço da praia ou do pacote em que cada um de nós vive hoje.

Qual é a sua situação como grão ou bolacha nesse exato lugar e momento?

Daqui, do meu momento, estou caindo na real sobre o quanto eu estava gritando no meio da galera toda.  

Como assim medo de mim?

Diz aí: eu intimido você?

Já ouvi, mais de uma vez, que eu tenho cara de brava e que sentiam medo de mim.

Medo de mim? Como assim? Eu é que tenho medo dos outros!

Pois é… um sentimento que sempre me acompanhou foi a vergonha. Uma vergonha-medo de que chegassem perto e descobrissem o quanto sou insegura, o quanto sou “pequena”, o quanto não sei, o quanto não tenho.

Parece bobo ou exagero, mas é isso. Hoje é um sentimento bem mais ameno, mas na infância e adolescência virava um pimentão de tão vermelha, só de alguém vir me dar oi.

Sem me dar conta, essa vergonha e esse medo todo criaram um escudo tão forte que, de fato, conseguiu assustar e afastar as pessoas.

Mas sabe o mais louco? Outro medo, mais profundo, é o de ser abandonada e ficar só, por não ter valor/importância pra ninguém. E aí cria-se o paradoxo: quero ser aprovada, validada, incluída, então me esforço pra agradar, pra que cheguem perto, me vejam, gostem de mim e do que faço. Mas quando chegam e eu ganho atenção, o medo dispara a vergonha e ela dispara o escudo protetor. Vai que se decepcionem, me desaprovem e depois me deixem? Melhor nem deixar chegar, né!

E assim viramos nosso próprio algoz e entramos na famosa roda da auto sabotagem.

Alguém se identifica?

Ainda não me livrei da roda, mas tenho aprendido muito sobre como lidar com ela. O que mais tem me ajudado: primeiro, decidir olhar de perto essa roda de ciclos que insistem em se repetir (affff) e todas os sentimentos que vêm junto. Segundo, assimilar que nunca é sobre o outro ou a vida (ela só diz sim pra nós), e sempre sobre mim. As situações e pessoas que aparecem e “fazem” isso ou aquilo com a gente são só instrumentos atraídos pelo nosso próprio inconsciente e pela energia que emanamos, pra mostrar pra nós mesmos os medos/ traumas/ dificuldades que temos, com a única intenção de que isso seja compreendido e possa ser superado.

De tanto investigar e mergulhar nos meus processos, hoje consigo ajudar a investigar os seus também. As ferramentas que uso são a Astrologia e a Cosmologia Maia (tzolkin e sincronário das 13 luas), usadas pra construir seu mapa astral cósmico; também o tarot e, em breve, a terapia de Aurora Healing. Se sentir qu e posso te ajudar, chama pra conversar. Contato na bio.  

Sobre ser uma mãe “heroína”

Sempre imaginei que um dia seria mãe. “Não dá pra passar por essa vida sem ter essa experiência”. Esse era o sentimento. Ao mesmo tempo, ficava muito angustiada pensando em tudo que teria que abrir mão. Me achava egoísta demais pra dar conta.

Resultado: acabei confirmando minhas suspeitas. Ser mãe foi, sim, a melhor decisão que já tomei na vida e não mudaria isso de forma nenhuma. Mas foi também onde encarei duras verdades sobre mim mesma.

Olhando pra tudo que as meninas já me fizeram viver, sentir e aprender, tenho absoluta certeza de que me transformaram num ser humano melhor. Mais consciente de quem eu sou, de como eu funciono e do que eu realmente preciso. E também mais generosa, comigo e com os outros.

Mas, como eu disse, vieram junto duras verdades. Se você é mãe, talvez se identifique.

Como mães somos capazes de expandir imensamente nosso coração. Entregamos até o que nem sabíamos que tínhamos pra dar. É um amor que traz junto tanta força e coragem que nem parece que vem da gente. É tão desafiador quanto maravilhoso. Gerar a vida, nutrir, cuidar e amar incondicionalmente. Um lugar lindo, que facilmente nos transforma em “HEROÍNAS”.

Mas foi nesse papel, o de heroína, que em certo momento me perdi. Me perdi dos meus limites e de mim mesma. Sabe quando fazemos sempre pelos filhos primeiro? Depois pelo marido? E, com o tempo, por mais gente que vai entrando na lista? Pois é… Sacrificar-se pelos outros traz méritos. Quando isso é feito pelos filhos, merece destaque especial. Quantos dos nossos “sim” e “deixa que eu faço” não trazem nas entrelinhas desejos de aprovação e reconhecimento (e uma disfarçada necessidade de controle)? Enquanto nossa real vontade e/ou necessidade é engolida em seco ou empurrada pra depois.

Já me vi nesse lugar um sem fim de vezes: deixando a “heroína” assumir o comando, ou por reconhecimento ou por controle. E, se me lembro bem, em todas essas vezes um escuro “lado negro” emergiu junto, fazendo todos em casa aguentarem uma mãe insuportável. No fundo era muito frustrante ter que abrir mão de mim pelos outros, inclusive pelas minhas filhas. Mas admitir isso era bem pior.

A sorte é que a vida não desiste de nós tão fácil e às vezes vence pelo cansaço. Ainda estou em processo, mas percebi que admitir minhas emoções é bem mais leve e mais fácil do que sustentar qualquer papel. Quando respeito e acolho o que sinto, quando me permito atender aos meus desejos (mesmo com medo de ser egoísta), fica bem mais leve dar conta do que precisa ser feito. E mais equilibrada a relação do dar e receber em família. Seu eu estiver bem, minhas filhas ficarão bem.

A verdade? Todo julgamento de “preciso” ou “não posso”, de “certo” ou “errado”, sempre veio de mim mesma. Da necessidade que eu tinha de viver uma maternidade perfeita (que nem existe). De limites e dificuldades que eu mesma impunha. Resultado de uma enorme insegurança e necessidade de controle que a vida inteira me acompanham.

Outra verdade? Abrir mão da aprovação dos outros passa por descer do pedestal. Passa por humildade e vulnerabilidade. A maternidade nos empodera e traz junto um amor sem fim, mas não nos faz indestrutíveis, nem superiores, nem autossuficientes. Pelo contrário, quanto mais cuidamos dos que amamos, mais precisamos de amor para restabelecer nossas forças. E o amor próprio é o mais importante deles. Sinto que não é egoísmo, mas uma questão de equilíbrio. Minha sugestão: experimente. 

Você traz as dúvidas e o Tarot ajuda a encontrar respostas


Uma conversa íntima entre você e o Universo.


No inconsciente moram nossas energias psíquicas – todos os pensamentos e sentimentos que experimentamos ao longo da vida, e com o tempo esquecemos ou enterramos. A partir dessas energias criamos crenças, bloqueios, medos, culpas e um sem fim de distorções que vão enrolando nosso caminhar ao longo da vida. Com o tarot conseguimos “ler” essas energias inconscientes, criando uma ponte de entendimento: compreender melhor o que acontece fora a partir do que estamos sentindo e vivendo dentro. Porque tudo sempre diz respeito a nós.


COMO ACONTECE O ATENDIMENTO?

Se você chegou nesta página é porque tem perguntas, questionamentos, pontos obscuros, dúvidas. E as cartas podem te ajudar a criar uma ponte de CLAREZA. Traga suas inquietações que, ao longo do nosso encontro, vamos colocá-las na roda e acessar as respostas que ela trazem a partir do seu interior e das energias que regem sua vida nesse momento. 

  • O atendimento será ONLINE e vai acontecer ao vivo pelo whatsapp. Cada atendimento dura em torno de uma hora e meia à duas (às vezes um pouco mais). Marcaremos um dia e horário onde você estará sozinhx, para conversarmos a sós e com calma, você, eu, as cartas e o Universo.

INVESTIMENTO

R$ 140,00 – pagos via cartão de crédito ou depósito bancário.

Se sentir que o Tarot pode te ajudar nesse momento, chame pelo whattsapp para combinarmos tudo:

(54) 98126.6169.

Ficarei imensamente feliz em te acompanhar.

com carinho, Lu

Jornada Pessoal da LUA NOVA


Uma Jornada ONLINE guiada pelo TAROT e pelas energias da Lua, em direção à sua reconexão interna.


POR QUE UMA JORNADA CONECTADA À LUA?

O mundo invisível – esse que não enxergamos, não podemos tocar e geralmente duvidamos que exista – move nossa existência mais do que podemos imaginar. Falo das energias que nos cercam, as energias que nos compõem, as que criamos, absorvemos e movimentamos a cada novo passo que damos através dessa vida. Tudo e todos somos feitos de energia. Nossos pensamentos, nossas emoções, nossos relacionamentos. Cada pequena ação, cada lampejo de sentimento que passa pelo coração, move essas energias. Dentro e fora de nós.

E todas essas energias são fluidas. A natureza delas é estar em movimento: chegar, mover (elas sempre mexem alguma coisa, em algum lugar) e seguir em frente. Não importa se as consideramos boas ou ruins. A vida não considera o valor que damos a elas. Esse julgamento é exclusivamente nosso.  

Com isso em mente – que todos somos feitos de energia e que todas as energias são fluidas – é fácil concluir que nosso estado natural também deveria ser o movimento. Fluir com a vida e com tudo que ela traz pra nós, tanto o que consideramos bom, quanto o que consideramos ruim. Mais ainda se lembrarmos que esse manter-se em movimento e no fluxo traz como pano de fundo a lei maior que nos rege – a impermanência. Nada nessa existência é fixo ou permanente. Nem a menor das partículas, nem o maior dos astros. O que não morre, se transforma.

Tão simples e tão desafiador, não?

Mas a Vida (ou a Força maior que a comanda) é muito generosa e, se parássemos para observa-la com mais consciência (como parte integrante do sistema e não seres superiores a ele), veríamos que ela está sempre pronta a nos ajudar nesse processo. O maior exemplo está na Natureza, e em seus infinitos e ininterruptos movimentos de nascer-crescer-morrer/transformar.  

Aqui entra a sabedoria milenar de acompanhar os movimentos da Lua e reconhecer o quanto essa energia pode nos ajudar.

A água é o elemento mais fluido que existe. Se adapta a qualquer ambiente e qualquer condição. Observar seus movimentos é aprender a fluir com liberdade pela vida, mesmo que da forma mais improvável (para chegar ao oceano, por vezes é preciso evaporar e transformar-se em chuva). No mundo holístico – incluindo o TAROT – falar de água é falar de emoções e da oscilação constante do nosso mundo interior. Não podemos negar: as emoções são as grandes responsáveis pela forma como nos movimentamos (ou não) pelo nosso existir. Quando nascemos, cerca de 70% a 75% do nosso corpo é composto de água. E não por coincidência, a porcentagem de água líquida sobre o planeta é praticamente a mesma.

Já a Lua, sabemos bem, exerce um grande poder gravitacional sobre as águas. Pra mim já é motivo suficiente pra acreditar em seu poder sutil – e real – de influenciar a vida de todos os seres minimamente “líquidos” do planeta (as mulheres, com seu ciclo menstrual e gestacional, principalmente). Além disso, várias civilizações antigas conectam a energia da Lua ao feminino – nosso lado Ying, interno, escuro, intuitivo, emocional, que inclusive os homens têm. No Tarot, a Carta da Lua refere-se exatamente a isso. E também às nossas ilusões e medos. 

Esse mundo invisível é imensamente rico em SIMBOLISMOS e INFORMAÇÕES, mas desaprendemos a ouvi-lo porque conversa com a gente de uma maneira não convencional, que vai além da nossa razão mental. As formas de comunicação também são diferentes: a intuição, os insights, as sincronicidades, as percepções sutis da realidade. O que não diminui seu poder e sabedoria. Esse é um mundo que move muito em mim. Nele encontro sentido, conexão, clareza e expansão. E a cada limite expandido, mais vontade de explorar, aprender e experimentar.

O TAROT é uma das ferramentas que mais uso nessa exploração. Já a sabedoria dos CICLOS LUNARES conheci em estudos do Sagrado Feminino e da Astrologia. Unir os dois foi um caminho natural e trouxe uma conexão ainda maior. Passei a prestar atenção no quanto minha energia oscila física, mental e emocionalmente ao longo das quatro fases da Lua (em torno de 28 dias, igual ao ciclo menstrual). E essa percepção ajuda a aproveitar melhor a energia específica de cada uma delas.


A ENERGIA da LUA NOVA

Na minha experimentação uma das fases mais significativas é a Lua Nova, que todo mês marca o recomeço do ciclo. Assim como no céu, também energeticamente é o momento mais escuro, sem luz. Momento de introspecção, de olhar para nosso interior (nosso lado escuro, Ying) e aquietar. Hora de procurar e perceber onde existe luz em nós mesmos. Fazendo uma analogia com as estações do ano, a Lua Nova é nosso inverno interior. Momento de limpar o terreno, organizar as sementes (focos/planos/projetos) que temos intenção de plantar e planejar como vamos executar esse plantio, que acontece perto da Lua Crescente – nossa primavera – tempo de nascer e florescer. A Lua Cheia representa o verão, o auge da nossa energia, vigor e expansão; quando vamos pro mundo e entregamos nosso melhor (nossos frutos). Durante a Lua Minguante vivemos nosso outono – fase de colher, avaliar os resultados do que estamos colhendo, pensar sobre o que não saiu de acordo e desapegar do que já não podemos mudar. E assim recomeçarmos o recolhimento e a preparação para um novo inverno (próxima Lua Nova).  

Não é linda essa sabedoria da mãe natureza? Os infinitos ciclos de vida-morte-vida nos inspirando a “morrer” e renascer também. Foi justamente essa possibilidade – o RENASCER – que inspirou a JORNADA DA LUA NOVA.


COMO SERÁ A JORNADA NA PRÁTICA?


A JORNADA é totalmente ONLINE e nosso contato acontecerá via whatsapp (marcaremos dia e hora para conversarmos ao vivo), conforme o formato de Jornada que você escolher, e com base nas informações da LUA NOVA em vigor no momento da sua compra.Veja abaixo como funciona cada uma.

SUGESTÃO 1 – JORNADA COMPLETA

A JORNADA COMPLETA passa por 4 ciclos lunares, ou seja, por 4 LUAS NOVAS (quatro meses), começando na Lua Nova que se seguir ao seu contato (e à confirmação da sua compra).

POR QUE 4 LUAS NOVAS?

Passsando por 4 ciclos lunares teremos a oportunidade de passar, pelo menos uma vez, por cada um dos elementos presentes tanto na Astrologia, quanto no Tarotfogo (motivação, espírito), terra (matéria, realização, ação), ar (mente, pensamento, intenção) e água (emoções). Dessa forma, a Jornada ganhará consistência e você poderá perceber a vivência com mais profundidade.

Partiremos de dois pontos:

  • Ponto 1 – o seu cenário pessoal, suas dores, dificuldades, dúvidas e limites a expandir. Com a ajuda do Tarot, a cada nova fase, vamos fazer uma checagem de como você está e o que tem sentido. Além disso, vamos verificar como se comportaram suas energias física, emocional e mental ao longo de todo ciclo anterior (se esteve animada, triste, ativa, introspectiva…). Assim você ganhará mais consciência sobre si mesma e perceberá nuances sutis que podem fazer muita diferença no seu bem estar.
  • Ponto 2 – além do Tarot e do Ciclo Lunar existem várias outras formas de “ler” as energias que exercem influência sobre sua vida diária. E ao longo dessa JORNADA vamos considerar algumas que podem ajudar bastante a clarear o cenário macro, como a Astrologia, que traz não apenas a energia do seu signo, mas também o signo em vigor e os trânsitos planetários específicos que influenciam cada período. Essa informação nos ajuda a nortear as perguntas que cada momento traz implícitas. Porque, quando se trata de Tarot, saber perguntar faz toda diferença. Além disso, vamos “passear” ainda pelo número que está regendo seu ano e também pelo seu oráculo Maia. Tudo isso vai nos dar informações valiosas sobre o “palco” em que a sua vida está sendo vivida.

SUGESTÃO 2 – JORNADA POCKET

Se você preferir algo mais curto, a JORNADA POCKET pode ser uma opção mais confortável, porque acontece como uma CONSULTA ÚNICA, ao mesmo tempo que investiga também seu Oráculo Maia e sua Numerologia do ano. Da mesma forma que a Jornada completa, esse atendimento será agendado com base nas informações da primeira Lua Nova que se seguir à confirmação da sua compra.


SUGESTÃO 3 – JORNADA SIMPLES

A JORNADA SIMPLES também acontece em CONSULTA ÚNICA e NÃO traz aprofundamentos detalhados do seu cenário macro (oráculos e numerologia), mas continuará trazendo orientações com base nas energias trazidas pela Lua Nova vigente no momento do seu contato. Essas orientações serão colocadas pelo Tarot como guiança personzliada para seu momento de vida dentro da Lua em questão. O atendimento será agendado a partir da primeira Lua Nova que se seguir à confirmação da sua compra.


Independentemente da Jornada que você escolher, o TAROT será nossa fonte de luz ao longo da caminhada. É como vamos iluminar o que está precisando de atenção na sua vida e também entender o que você precisa fazer a respeito, para que as energias de renovação de cada nova fase sejam aproveitadas da melhor forma e uma expansão na sua vida possa de fato acontecer.

INVESTIMENTO

JORNADA COMPLETA

  • R$ 645,00 – pagos em até 4X via cartão
  • ou R$ 610,00 à vista, via depósito bancário.

JORNADA PORCKET

  • R$ 215,00 – pagos em até 4X via cartão
  • ou R$ 200,00 à vista, via depósito bancário.

JORNADA SIMPLES

  • R$ 140,00 – pagos via cartão ou depósito bancário.

Se sentir que essa Jornada pode te ajudar, chame pelo whattsapp para conversarmos e organizarmos tudo: (54) 98126.6169. Enviarei também link/dados para pagamento.

Ficarei imensamente feliz em te acompanhar.

Com carinho, Lu

Avaliação: 1 de 5.

%d blogueiros gostam disto: